terça-feira, 27 de maio de 2008

Rosa


A Rosa era a Rosa mais linda. Isso dizia sua mãe, que lhe dera esse nome por causa das rosas. Ganhou rosas de seu primeiro namorado, com quem se casou. Entrou na igreja com rosas vermelhas e passava a vida a pintá-las em simpáticos quadros.Isso tudo colaborou para a escolha do nome de sua filha.
Rosa tinha as bochechas rosadas e os cabelos da cor do sol que se põe. Adorava sua roupa de bailarina, rosa, que sua mãe fizera para a primeira apresentação dela na escola, ainda bem pequena. Rosa queria lembrar-se desse dia em que desfilou pela rua de casa com sua roupa de bailarina, mas era criança demais, nem falava ainda. Hoje Rosa fala pelos cotovelos.
Rosa adorava laranja, tanto que pediu para sua mãe pintar flores desta cor na parade de seu quarto.
Rosa adorva Amarelo, seu urso de estimação, de sorte, de dormir, de todos os lugares onde ela ia.
Rosa adorava o branco do tapete de seu quarto, coisa que sua mãe detestava. A mãe de Rosa adorava essas coisas de moda e nessa época os ácaros estavam na moda. Era isso que a fazia detestar o tapete.
Os anos sempre passavam e as bochechas de Rosa continuavam rosadas. Quando ela ficava envergonhada então... Parecia que ia explodir de tanto vermelho em seu rosto. Os anos foram passando e Rosa não deixou que sua mãe mudasse uma flor de lugar em seu quarto, que tinha a mesma cara desde que Rosa nascera.
.
.
.
.
Um belo dia Rosa cresceu.
"As crianças nunca deveriam crescer!", dizia sua mãe. "As mães não deveriam existir!", dizia Rosa. As coisas foram ficando difíceis naquela casa. Rosa pintou a parece de branco, manteve o tapete branco e jogou Amarelo em um armário.
"Desde o dia em que Rosa jogou Amarelo no armário as coisas mudaram. Espero que ela não se lembre que a roupa de bailarina está atrás da cama, perdida."

terça-feira, 6 de maio de 2008

As lágrimas agora têm um gosto diferente.