terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

"Perceber aquilo que se tem de bom no viver é um dom
Daqui não, eu vivo a vida na ilusão
Entre o chão e os ares, vou sonhando em outros ares
Vou fingindo ser o que já sou, fingindo ser o que já sou
Mesmo sem me libertar, eu vou
É, Deus, parece que vai ser nós dois até o final
Eu vou ver o jogo se realizar de um lugar seguro
De que vale ser aqui
De que vale ser aqui onde a vida é de sonhar
Liberdade"

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Quais são as cores e as coisas?

Eu queria ver no escuro do mundo.

Sobre a montanha russa que a ansiedade adora brincar.
Agora ela está parada lá na curva mais alta. Quase de cabeça para baixo.
Quando tudo estiver em silêncio e quando o coração bater bem devagar.
Quando a respiração for quase imperceptível.
Mantenha-se como está.
E se agarre ao que for preciso para que esse momento continue e dure.
Sossegue.


segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Me diz se assim está em paz, achando que sofrer é amar demais

Volto quatro anos depois porque preciso.
Volto pra ver se diminui a febre de sentir,
Precisei viver 28 anos e virar a cara para Pessoa muitas vezes para descobrir que ele escreveu o que eu sinto. Ele escreveu o que eu gostaria de ter escrito. Pessoa, lúcido da vida que não dá afagos, disse exatamente o que experimento. 
Sobre a saudade das coisas que nunca aconteceram, essas são as que mais doem. É sobre uma das coisas que ele mais fala, do que li até agora.
Livro do desassossego. Desassossega sem clichê. Com clichê. Os sentimentos mais comuns são clichês. São ridículos. As frases mais ditas, são mais ditas porque são verdadeiras. E por isso é lugar comum.
É medíocre, no sentido literal da palavra.
Volto quatro anos depois porque preciso.
É medíocre voltar porque preciso. Nunca deveria ter te deixado aqui, tão sozinho nesses quatros anos.
2015.
2015. Um tapa na cara, a vida grita e me chama pra viver.
Aí, eu aprendi que a literatura, junto à psicologia, salva.
Então, debruço aqui novamente todo o peso de viver. (Como ela é dramática!)
E aqui venho buscar suporte na vida, que não dá trégua e desacomoda.
Frases prontas atrás de frases prontas. Por isso livro de auto-ajuda faz tanto sucesso. Mentira.
Achei em Pessoa e em Gutfreind o que precisava para estar aqui agora.
Volto quatro anos depois.
Queria escrever poesia. Seria menos pesado o sentir.
Queria escrever música.
Então, junto essas letras e surge isso aqui. E me confundo mais. 
É o afã de querer entender o que acontece.
Vou organizando para me ver livre.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Tudo que você quiser, tempo de recomeçar. Solidão eu já vivi na cidade que não volta.

http://multishow.globo.com/musica/marcelo-camelo/tudo-o-que-voce-quiser